0
Visualização
Acesso aberto Revisado por Pares
ARTIGOS ORIGINAIS

Estudo dos riscos ocupacionais na operação de remediação ambiental em área contaminada por cádmio

Study of occupational risks of the environmental remediation operation in an area contaminated by cadmium

Antonio Eduardo Fernandes DAguiar1; Jefferson Benedito Pires Freitas2; Luiz Carlos Morrone3

RESUMO

CONTEXTO: Busca-se a sustentabilidade na convivência entre os processos produtivos industriais e a natureza para que a vida no planeta seja preservada. Essa necessidade da sociedade impulsionou a criação de empresas especializadas em remediação ambiental (reparar ou minimizar danos ambientais causados por processos produtivos).
OBJETIVOS: Entender o processo de trabalho desse tipo de empresa e respectivo risco ocupacional em um projeto específico de recuperação de área contaminada por cádmio, consequência da oxidação de pilhas eletroquímicas que estavam enterradas nessa área.
MATERIAL E MÉTODOS: O período de observação ocorreu de março a dezembro de 2005, em três etapas distintas - demolição, escavação e transporte -, com mapeamento dos riscos ocupacionais potenciais.
RESULTADOS: Estabeleceu-se um plano de segurança específico com instrução de Medicina Ocupacional para empresas e fluxo para avaliação médica ocupacional. A dosagem de cádmio na urina estava entre os exames ocupacionais realizados . Os dados foram obtidos pela análise de 48 prontuários ocupacionais, entre o quais quatro foram considerados inaptos e registrou-se um acidente com afastamento.
CONCLUSÃO: Os dados obtidos evidenciaram sistematização do processo, em que os cuidados foram distintos nas três etapas de trabalho, com a correta utilização de equipamentos de proteção individual (EPI), ações de proteção coletiva, comunicação adequada com a população vizinha, transporte e destinação do material contaminado com preocupações ocupacionais e ambientais. Não ocorreram agravamento ou contaminação dos envolvidos. Foram feitas recomendações para a melhoria em trabalhos de mesmo risco.

Palavras-chave: Meio ambiente, riscos ocupacionais, cádmio, poluição ambiental, prevenção e controle.

ABSTRACT

Historically, economic activities developed by man have generated environmental impacts that many times are irremediable, decimating flora and fauna. Fortunately, civilized society has been organizing itself for some time, seeking to impede, limit, or adapt productive activities, within acceptable standards, in order to interfere in the environment in a sustainable way, i.e. , allowing renewable provision of the substances necessary for preserving life. As a result of this pressure from society, exigencies of current legislation, and the very level of awareness of the topic on the part of the government, business community, and third sector, in light of the diverse forms of aggression the appearance of businesses specialized in environmental remediation studies and actions was naturally instigated. The objective of this study was to evaluate the occupational hazards of professionals who conducted specific activities for an environmental remediation project in an area contaminated by cadmium originated from the five-decade decomposition of batteries.

Keywords: Remediation, cadmium.

INTRODUÇÃO

As atividades econômicas desenvolvidas pelo ser humano, historicamente, geram impactos ambientais, dizimando flora e fauna, muitas vezes de modo irremediável. Felizmente, há algum tempo, a sociedade vem se organizando para impedir, limitar ou adequar, a padrões aceitáveis, as atividades produtivas, a fim de produzir interferências no meio ambiente de maneira sustentável, ou seja, permitindo o abastecimento renovável do conjunto de substâncias necessárias à conservação da vida.

Como resultado da pressão da sociedade, da exigência de legislações atualizadas e do próprio nível de conscientização sobre o tema por parte do governo, do empresariado e do terceiro setor da economia, estimulou-se o surgimento de empresas especializadas em estudos e ações de remediação ambiental, tendo em vista as diversas formas de agressões ao meio ambiente.

O objetivo deste estudo foi avaliar os riscos ocupacionais de profissionais que desenvolveram, especificamente, atividades num projeto de remediação ambiental em área contaminada por cádmio, resultado da decomposição de pilhas eletroquímicas em cinco décadas.

Remediação ambiental

Cada vez mais indústrias percebem a necessidade e a importância da proteção ambiental não apenas como forma de evitar altos gastos em razão de problemas futuros, mas também por causa do retorno altamente benéfico e para ter uma boa imagem em diversos setores da comunidade.

O trabalho de remediação ambiental é necessário quando algum dano é causado ao meio ambiente; então diversas providências devem ser tomadas para minimizar ou anular o dano ocorrido. Para isso, diversas ações são planejadas, aprovadas e desencadeadas, de acordo com cada caso: negociação e acompanhamento das ações em órgãos públicos (licença, fiscalização, aprovação, julgamento etc.); definição de prioridades de ações para a remediação; caracterização geológica e hidrogeológica, com correto mapeamento de áreas atingidas e substâncias contaminantes envolvidas; definição de tecnologias aplicáveis para minimizar os danos ao meio ambiente; realização de testes laboratoriais de tratabilidade de resíduos no cenário local; avaliação e gerenciamento de riscos ambientais; e aplicação de modelos matemáticos e hidrogeológicos para definição das diversas ações.

Metal cádmio

O material encontrado no subsolo foi a pilha eletroquímica. Nas análises realizadas, a contaminação preocupante, tanto no terreno quanto no lençol freático, foi por cádmio. O metal cádmio (Cd), de número atômico 48 e peso atômico 111,40, é obtido a partir do minério greenockite (CdS), mas pode ser também subproduto do tratamento dos minérios de zinco, chumbo e cobre por eletrólise ou fundição. Pode se apresentar como óxido, sulfato ou cloreto. É submetido a processo de refinamento para se transformar em barras ou ânodos e sua principal propriedade é a resistência à corrosão, além de possuir qualidades para ser usado na metalurgia. Os fumos de cádmio são extremamente tóxicos e podem ser encontrados nas operações de fundição e solda. As operações que classicamente apresentam riscos de contaminação pelo cádmio são: galvanoplastia (cadmiação de metais); ligas com prata, cobre, latão e bronze (utilizadas em eletrônica, refrigeração, próteses etc.); fabricação de pigmentos; e fabricação de acumuladores de cádmio e níquel.

O cádmio e a saúde ocupacional

A patogenia do cádmio não é bem conhecida. Alguns autores citam a possibilidade da ação direta do metal inibindo a alfa-1 antitripsina, mas experimentos de laboratório ainda não conseguiram obter a correta identificação desse processo de agressão ao organismo8.

Trata-se de metal tóxico para os rins e pulmões. No rim causa lesão tubular e glomerular com proteinúria característica, inicialmente de proteínas de baixo peso molecular e, nos casos de exposição crônica, envolve moléculas maiores. Em fases mais avançadas podem ocorrer lesão glomerular e perda da função renal7.

O cádmio e o berílio são os metais mais irritantes ao pulmão. Eles podem causar enfisema, fibrose e doença pulmonar obstrutiva crônica, estão correlacionados ao câncer de pulmão e próstata e classificados no grupo 1 da International Agency for Research on Cancer (IARC), sob o número 744043-9. A intoxicação por cádmio é identificada por uma proteinúria específica, de baixo peso molecular (20.000 a 30.000), evidenciável pelos ácidos nitroso, tricloroacético e sulfossalicílico. O nível de cádmio na urina dos indivíduos altamente expostos costuma ser superior a 0,100 mg/l.

A Norma Regulamentadora NR 7, ao estabelecer parâmetros para controle biológico da exposição a alguns agentes químicos, define que o indicador biológico do cádmio é a dosagem dele na urina, cujo valor de referência é de até 2 pg/g de creatinina. O índice biológico máximo permitido (IBMP) é de 5 µg/g de creatinina. Portanto, o Cd-U é um indício de depósito renal e, dessa forma, indicador clínico, pois, quando ultrapassa o índice máximo permitido, demonstra que há depósito elevado no rim, estando estreitamente ligado à lesão desse órgão6.

A exposição ao cádmio pode ser relacionada às seguintes doenças: alterações pós-eruptivas da cor dos tecidos duros dos dentes (CID K03.7); gastroenterite e colites tóxicas (CID K52); osteomalacia do adulto induzida por drogas (CID M83.5); nefropatia túbulo-intersticial induzida por metais pesados (CID N14.3); e efeitos tóxicos agudos (CIDT56.3).

 

MATERIAL E MÉTODOS

Este estudo foi realizado com a utilização de dados colhidos de 2003 a 2005, em uma empresa especializada em ações de remediação ambiental, quando foram cumpridos os seguintes itens:

- Visita ao projeto, localizado no km 11 da Rodovia Anchieta, SP, para identificação do local e melhor entendimento dos processos envolvidos;

- Identificação dos riscos ocupacionais dos profissionais envolvidos nesse projeto;

- Visita ao aterro industrial localizado a 150 quilômetros de distância;

- Estudo de todo o processo de trabalho;

- Avaliação clínica de todos os profissionais envolvidos;

- Relato dos resultados obtidos;

- Recomendações para eventuais melhorias.

A empresa gerenciadora foi contratada para realizar trabalho de remediação ambiental em uma área que fica em um bairro onde, ao longo dos anos, houve grande crescimento demográfico. O objetivo estabelecido inicialmente foi identificar o nível de contaminação do solo, lençol freático e entorno pelo metal cádmio, ressultado da oxidação de pilhas eletroquímicas enterradas no solo da área da empresa contratante durante os anos 1940 e 1950.

Nessa época a empresa fabricante de pilhas eletroquímicas estava afastada de qualquer bairro. Naquela ocasião, parte do processo produtivo incluía enterrar as pilhas defeituosas no próprio terreno, servindo inclusive como aterro, onde posteriormente foram alicerçados e construídos galpões. Após decisão estratégica de negócios, a empresa concentrou sua produção em países asiáticos, no início dos anos 1990, por isso desativou a fábrica e vendeu o local para outra empresa.

O terreno passou por vários proprietários e destinos e durante o processo de expansão de galpões, quando se cavava para a construção de alicerces, foram encontrados restos de substâncias e objetos. Estudos revelaram se tratar de pilhas eletroquímicas oxidadas pela exposição ao tempo. Consequentemente houve extravasamento de conteúdo para a área do terreno e adjacências e até contaminação do lençol freático.

Inicialmente foram realizados estudos para identificação dos materiais contaminantes e, principalmente, para se conhecer a extensão do problema. O estudo utilizou entrevistas com vizinhos e buscou identificar possíveis poços artesianos. Revelou-se o seguinte panorama: as áreas estavam contaminadas com o cádmio resultante da oxidação de pilhas eletroquímicas; as áreas contaminadas estavam dentro dos limites do terreno da empresa; o lençol freático estava contaminado, porém nenhuma residência na vizinhança se utilizava dessa fonte de água na forma de poço artesiano, pois era muito profundo; existia a possibilidade de retirada da maior parte do material contaminado, mantendo os galpões, mas com necessidade de demolir pequenas áreas.

Diante desse diagnóstico situacional, foram definidas três etapas distintas de ações: 1a etapa - demolição: algumas construções localizadas no terreno não necessitariam ser demolidas; 2a etapa - escavação: deveria ser feita retirada de material contaminado com cádmio tanto das áreas sem construções (ou pós-demolição) como daquelas localizadas embaixo de áreas construídas; 3a etapa - transporte - todo o material retirado seria transportado em carretas lacradas até um aterro industrial específico, onde, com o passar dos anos, o material obteria a inatividade tóxica. O destino final localizava-se a 150 quilômetros e para chegar até ele era necessário passar por rodovias de intenso tráfego.

Operação

Durante o desenvolvimento do projeto foi alocado um total de 28 profissionais, incluindo todas as empresas envolvidas, para a realização das três etapas definidas. A jornada semanal de trabalho estabelecida no projeto foi de 44 horas, de segunda a sexta-feira, com uma hora de almoço e dois períodos de descanso de 15 minutos, um no meio da manhã e outro no meio da tarde. As horas extras necessárias durante todo o período de estudo do projeto correspondeu a 0,8% do total de horas trabalhadas.

Por se tratar de uma área industrial desativada, que dispunha de grandes galpões desocupados, a alimentação ocorria nas cercanias da área do projeto, com a utilização de vale-refeição por todos os profissionais. Havia formalmente o impedimento da utilização de marmitas ou de qualquer tipo de ingesta alimentar dentro da área do projeto, conforme previsto no Plano de Segurança. As instalações sanitárias estavam dimensionadas além da necessidade do grupo.

Plano de segurança

O Plano de Segurança continha as diretrizes básicas para a proteção da integridade física dos trabalhadores, as quais deviam ser conhecidas e respeitadas por todas as empresas e profissionais envolvidos. As atividades foram programadas para ser desenvolvidas na parte dos fundos da instalação industrial (galpões). Os serviços consistiram em remover o material de aterro de rejeito, depositado sob o galpão e o prédio auxiliar, transportar esse material até aterro de classe especial e recompor a área com reaterro com material limpo.

Saúde ocupacional

A partir do estabelecimento do Plano de Segurança com o claro mapeamento dos riscos ocupacionais para cada função em cada fase, estabeleceram-se instruções para as empresas, com diretrizes específicas de saúde ocupacional, conforme descrito a seguir.

Instrução para a fase de demolição

Essa fase durou 50 dias e, ante os riscos previstos, foram adotados os seguintes parâmetros para a realização dos diversos exames ocupacionais:

Exame médico admissional na obra

O exame médico abrangeu anamnese ocupacional e exame físico e foi acrescido dos seguintes exames complementares: hemograma completo com contagem de plaquetas; provas de função hepática: transaminases, gama glutamil transferase, bilirrubinas e fosfatase alcalina; provas de função renal: ureia, creatinina e exame de urina tipo I; telerradiografia de tórax com laudo; e audiometria com laudo.

A aptidão do trabalhador para o exercício da função foi atestada pelo médico encarregado dos exames ocupacionais, por meio do Atestado de Saúde Ocupacional (ASO), de emissão obrigatória, em duas vias, para cada um dos exames ocupacionais previstos na NR-7.

Os exames complementares foram interpretados conforme o seguinte critério:

Audiometria

Parâmetros do Comitê Nacional de Ruído e Conservação Auditiva, o critério recomendado pela Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia, em 1993.

Telerradiografia de tórax

Critério de interpretação da classificação internacional para radiografias.

Hemograma completo e contagem de plaquetas

Os valores de referência de Wintrobe (Clinical Hematology, 9th editions, 1993).

Instrução para a fase de escavação

Essa fase durou 90 dias. No exame médico de admissão para a obra, foi investigada, sobretudo, a capacidade física e emocional para executar as tarefas. Todos os trabalhadores foram orientados a atualizar a vacinação antitetânica. O exame médico admissional abrangeu anamnese ocupacional e exame físico, acrescido dos seguintes exames complementares: hemograma completo com contagem de plaquetas; provas de função hepática: transaminases, gama glutamil transferase, bilirrubinas e fosfatase alcalina; provas de função renal: ureia, creatinina e exame de urina tipo I; telerradiografia de tórax com laudo; audiometria com laudo.

Instrução para a fase de transporte

Essa fase teve a duração de 90 dias. O exame médico admissional considerou, sobretudo, a capacidade física e emocional para realizar as tarefas peculiares ao cargo. Além da anamnese ocupacional e do exame físico, foram solicitados os seguintes exames complementares: hemograma completo; glicemia de jejum; provas de função hepática: transaminases, gama glutamil transferase, bilirrubinas e fosfatase alcalina; provas de função renal: ureia, creatinina e exame de urina tipo I; teste visual; colesterol total e frações; eletrocardiograma com laudo técnico; eletroencefalograma com laudo técnico; telerradiografia de tórax com laudo; audiometria.

Os trabalhadores foram avaliados pelos respectivos médicos de cada empresa - tanto os exames como o ASO foram revistos pelo médico coordenador da empresa gerenciadora. Nos casos de dúvidas, foram trocadas informações e alguns casos específicos foram considerados inaptos.

Apenas parte da área do terreno industrial estava efetivamente contaminada e, por isso, foram definidos níveis de acesso, com especificação de riscos, necessidade de exames ocupacionais e utilização de EPI para cada área.

Estabeleceu-se fiscalização e as cores dos crachás foram diferenciadas, bem como foram colocadas barreiras físicas para nível e acesso, para evitar, assim, exposições desnecessárias. Para as áreas classificadas nas cores verde e amarela, não foi solicitado aos trabalhadores nenhum exame complementar específico, além da avaliação clínica. Para a área classificada como vermelha, foram identificados riscos físicos, químicos e de acidente, por essa razão, além da avaliação clínica, foram solicitados aos trabalhadores, independentemente da função, os seguintes exames complementares: hemograma completo e plaquetas; provas de função hepática; provas de função renal; glicemia de jejum; audiometria; e radiografia do tórax.

Para os operadores de máquinas e veículos, foram solicitados também eletrocardiograma e eletroencefalograma.

Ao final dos trabalhos, todos que foram submetidos ao risco químico (Tabela 1) tiveram de verificar a dosagem de cádmio urinário.

 

 

Os seguintes EPI foram disponibilizados para os profissionais que iriam trabalhar na área classificada como vermelha: máscara facial completa com filtro multigás - P3; bota de couro com biqueira de aço; protetor auricular; macacão em Tyvek; e luvas de nitrila, de borracha ou de raspa.

Para a proteção coletiva, utilizou-se a aspersão frequente de água para evitar o pó.

Com relação aos itens de segurança disponíveis no local, podem-se ressaltar extintores de incêndio e sprinkler nas áreas administrativas e equipe treinada no combate a incêndio.

Para os casos de acidentes, estabeleceu-se como referência o Hospital Heliópolis, em razão de sua localização próxima e por sua capacitação técnica.

Funções

Os profissionais foram divididos nas diversas áreas de trabalho classificadas por cores segundo o risco ocupacional (verde = ausência de riscos; amarelo = risco físico; e vermelho = risco químico), evidenciado na tabela 1.

Processo

Na figura 1, encontra-se resumido, por meio de fluxograma, o processo de remediação ambiental na área.

 


Figura 1. Fluxograma do processo

 

 


Figura 2. Estrutura de prédio a ser demolido.

 

 


Figura 3. Equipamentos de proteção individual.

 

 


Figura 4. Envelopamento de carreta antes do transporte externo.

 

O material contaminado pelo cádmio foi transportado por empresa especializada e encaminhado até aterro industrial localizado no município de Tremembé, SP, distante 150 quilômetros do local de onde foi retirado.

Para o transporte foram utilizados caminhões do tipo carreta, cada um com capacidade para até 25 toneladas, os quais realizaram 650 viagens, retirando 16 mil toneladas de material do local. Realizou-se seguro contra eventuais acidentes, específico para a etapa do transporte do material.

A seguir são mostradas fotos ilustrativas de todo o processo, que envolveu três etapas: demolição, escavação e transporte do material contaminado.

Comunidade

A comunidade que vivia no entorno do local pôde acompanhar desde o início o objetivo e o alcance dos trabalhos realizados, bem como participar inclusive da tomada de decisões, a fim de propiciar o menor impacto possível.

 

RESULTADOS

Pré-operacionais

Como resultados de avaliação clínica ocupacional pré-operacional, quatro profissionais foram considerados inaptos para o projeto (três geólogos e um motorista). As causas que levaram à inaptidão foram alteração da função renal, obesidade acentuada, hipertensão arterial sistêmica; diabetes descompensada e alterações de repolarização ventricular (evidenciadas no laudo do eletrocardiograma).

Resultados pós-operacionais

Durante o desenvolvimento dos trabalhos, houve um acidente na área da britagem, que resultou em afastamento de um trabalhador por causa de fratura de membro superior. O estudo da causa do acidente identificou falta de sinalização do sistema elétrico de acionamento do britador.

Foi realizada a dosagem de cádmio urinário em 22 pessoas expostas ao risco químico (Tabela 1) e todos os resultados estavam abaixo do valor de referência (3,0 microgramas/24h).

 

RECOMENDAÇÕES

De acordo com o estudo realizado, as recomendações para melhoria no processo de controle de saúde ocupacional seriam:

• medição do nível de exposição a ruído dos trabalhadores, principalmente nas proximidades de máquinas debaixo de galpões durante a fase de escavação;

• realização de exame de espirometria no início e no final do projeto;

• avaliação de acuidade visual, por meio do teste de Sneller, para os operadores de equipamentos, máquinas e caminhões tipo carreta;

• dosagem de cádmio na urina de todos os profissionais que fossem realizar suas atividades na área de exposição química, no início do projeto;

• realização de cadastro ocupacional de cada projeto em que os funcionários desempenharam suas funções, com distinção dos riscos ocupacionais a que ficaram expostos.

 

CONCLUSÕES

Os resultados obtidos neste trabalho permitem concluir que o processo de trabalho estava bem delineado, com logística adequada para a complexidade do processo. Chamou à atenção a abordagem da comunidade, o que contribuiu para evitar situações de pânico ou a intromissão desnecessária de terceiros; os órgãos públicos acompanharam formalmente todo o processo.

O gerenciamento da saúde ocupacional evidenciou que os riscos ocupacionais foram devidamente identificados e mapeados para cada função desempenhada, especificamente neste projeto. Todas as empresas envolvidas no processo foram abordadas da mesma forma, permitindo rígido controle de entradas e consequentemente de exposição desnecessária a riscos.

A empresa responsável pelo terreno apoiou o projeto e ajudou em todo o processo, privilegiando tanto a segurança das pessoas como a ambiental, permitindo a realização de um trabalho completo e integral. Os diversos profissionais alocados neste projeto possuíam como característica a manutenção prolongada na mesma empresa, porém com a peculiaridade de realizarem trabalhos temporários para diversos clientes, sendo consequentemente expostos a riscos variáveis e muitas vezes não identificados.

 

REFERÊNCIAS

1. Araújo GM. Normas regulamentadoras comentadas. 4. ed. São Paulo: Atlas; 2003. v. 1 e 2.

2. Arcadis Hidro Ambiente, Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), 2005.

3. Cadmium. Disponível em: http://monografs.iarc.fr/ENG/classification/crthallist.php.

4. Manuais de legislação Atlas: segurança e medicina do trabalho. 57. ed. Coordenação e supervisão da equipe Atlas. São Paulo: Atlas; 2005.

5. Dias EC (org.). Brasília: Ministério da Saúde do Brasil; 2001. p. 537.

6. Mason HJ, Williams NR, Morgan MG, Stevensons AJ, Armitage S. Influence of biological and analytical variation on urine measurements for monitoring expositure to cadmium. Occup Environ Med. 1998;55:132-7.

7. Mendes R. Medicina do trabalho e doenças profissionais. São Paulo: Sarvier; 1980.

8. Stellman JM (editor). Encyclopaedia of occupational health and safety. 4th ed. Geneva: International Labor Office; 1998. v. 4.

Recebido em 12 de Fevereiro de 2009.
Aceito em 6 de Abril de 2009.


© 2024 Todos os Direitos Reservados