210
Visualizações
Acesso aberto Revisado por Pares
ARTIGO ORIGINAL

Questionário Latino: estratégia de limiar para o diagnóstico anamnésico de distúrbios musculoesqueléticos relacionados com o trabalho através de grupos de referência específicos

Latin Questionnaire: a threshold strategy for anamnestic screening of occupational musculoskeletal disorders through specific reference groups

Daniela Colombini1; Olga Menoni1,2; Natale Battevi1,3; Enrico Occhipinti1,3; Mirko Pezoa Villanueva1,4; Aquiles Hernandez1,5; Ruddy Cesar Facci1,6; Edoardo Santino1,7

DOI: 10.47626/1679-4435-2022-982

RESUMO

INTRODUÇÃO: Programas de vigilância sanitária realizados tanto em trabalhadores individuais quanto na população economicamente ativa em geral são gerenciados por médicos de saúde do trabalho e se concentram em distúrbios e doenças causados por sobrecarga biomecânica, principalmente com fins preventivos.
OBJETIVOS: O estudo visa atualizar, após mais de 40 anos de experiência de aplicação, um protocolo de anamnese para o estudo de distúrbios musculoesqueléticos, reintitulado Questionário Latino. Este questionário possibilita avaliação epidemiológica preliminar, comparando os resultados da população exposta com os da população de referência, graças à introdução de limiar de gravidade, conceito ausente em questionários semelhantes.
MÉTODOS: O Questionário Latino se baseia nos seguintes sintomas: desconforto, dor e parestesia. Cada sintoma é descrito considerando a localização, a duração, o número de episódios, a irradiação e o tratamento. O modelo, que abrange sintomas atuais e os 12 meses anteriores, destina-se a reconhecer casos de anamnese positiva (quando positiva de acordo com o limiar), casos de distúrbios leves e casos negativos para condições que envolvem a coluna vertebral e membros superiores e inferiores.
RESULTADOS: O modelo de anamnese atualizado foi novamente validado através da cooperação de 37 médicos de 14 países latinos. Para permitir comparações com a população exposta, propôs-se uma população de referência atualizada de 4.000 trabalhadores não expostos, avaliando a proporção de limiar positivo para a coluna vertebral e membros superiores e inferiores, distribuídos por sexo e faixa etária, além da incidência de lombalgia aguda. São apresentados exemplos de aplicação.
CONCLUSÕES: O Questionário Latino, implementado também em formato digital (download gratuito), permite selecionar casos de anamnese relevantes em comparação com casos de distúrbios leves. Essa estratégia é indispensável para realizar estudos epidemiológicos preliminares corretamente. Os exemplos ilustrativos confirmam a presença de diferenças significativas entre a proporção de limiar positivo nos grupos expostos em comparação aos grupos de referência, com excedentes proporcionais aos níveis de sobrecarga biomecânica.

Palavras-chave: vigilância sanitária; inquéritos e questionários; doenças musculoesqueléticas; epidemiologia; parâmetros de referência.

ABSTRACT

INTRODUCTION: Health surveillance programs conducted for both individual workers and working populations as a whole are managed by occupational health physicians and focus on disorders and diseases caused by biomechanical overload, primarily for preventive purposes.
OBJECTIVES: The purpose of the paper is to update an anamnestic protocol for studying musculoskeletal disorders after more than 40 years experience of its application. The updated version has been re-named the Latin Questionnaire. The protocol enables preliminary epidemiological evaluation, by comparing results of exposed populations to those from a reference population, thanks to the introduction of a severity threshold, a concept lacking in similar questionnaires.
METHODS: The Latin Questionnaire is based on symptoms of discomfort, pain, and paraesthesia. Each symptom is described in terms of location, duration, number of episodes, irradiation, and treatment. The model covers present symptoms during the previous 12 months and is designed to identify positive anamnestic cases (when positive according to the threshold), cases with minor disorders, and negative cases for conditions involving the spine and upper and lower limbs.
RESULTS: The updated anamnestic model was validated again through the collaborative effort involving 37 physicians from 14 Latin countries. To enable comparisons with exposed populations, an updated reference population (4,000 unexposed workers) is presented, evaluating the percentages of subjects positive according to thresholds for spine and upper and lower limbs and the incidence of acute lower back pain, broken down by gender and age groups. Examples of application of the questionnaire are also presented.
CONCLUSIONS: The Latin Questionnaire, which has also been implemented in digital form (free download), allows selection of significant anamnestic cases compared to cases with minor disorders. This strategy is indispensable for correctly conducting preliminary epidemiological studies. Example applications confirm the presence of significant differences between the percentages of subjects with positive thresholds in exposed compared to reference groups, with surpluses proportional to their levels of biomechanical overload.

Keywords: health surveillance; survey and questionnaires; musculoskeletal diseases; epidemiology; reference parameters.

INTRODUÇÃO

Programas de vigilância sanitária realizados tanto em trabalhadores individuais quanto na população economicamente ativa em geral são gerenciados por médicos de saúde do trabalho e se concentram em distúrbios e doenças causados por sobrecarga biomecânica, principalmente com fins preventivos. A vigilância sanitária periódica pode ser organizada em três níveis – nível 1: programas generalizados, dirigidos a todos os trabalhadores expostos e com o objetivo de descobrir “casos de anamnese”; nível 2: exame clínico em indivíduos que testam positivo ao exame de anamnese; e nível 3: exames instrumentais [como raios X, ultrassonografia, eletromiografia (EMG) etc.] para estabelecer diagnóstico.

Os distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho (DORTs) mais comuns acometem a coluna vertebral e os membros superiores1-6, enquanto, nos membros inferiores, envolvem os quadris e joelhos7-9. A relação com fatores de risco ocupacionais biomecânicos é menos clara para o pé e o tornozelo, sendo o uso frequente de pedais o único fator de risco citado por vários autores.

A fim de facilitar o trabalho dos médicos de saúde do trabalho na realização dos exames clínicos em trabalhadores expostos, foram desenvolvidos modelos de vigilância sanitária, incluindo um questionário elaborado pelos autores ao longo dos anos1-6.

O objetivo deste artigo é apresentar a versão atualizada do questionário, renomeado Questionário Latino, a ser utilizado no primeiro nível de vigilância sanitária. Esse questionário foi aperfeiçoado com base em mais de 40 anos de experiência de aplicação e revalidado com a contribuição de 37 médicos de 14 países latinos. Seu principal objetivo é oferecer investigação de anamnese global de DORTs da coluna vertebral e membros superiores e inferiores, com uma ferramenta de avaliação muito útil (limiar de gravidade) para decidir qual trabalhador precisa das etapas seguintes do processo de vigilância sanitária, ou seja, testes clínicos e instrumentais. Trata-se de uma ferramenta de investigação epidemiológica preliminar para registrar o impacto coletivo inicial, já na fase de anamnese, quanto à saúde dos trabalhadores expostos a sobrecarga biomecânica ocupacional em comparação com trabalhadores não expostos.

A principal diferença desse questionário em comparação a outros modelos de anamnese é a introdução de limiar de gravidade.

O questionário mais utilizado, o Questionário Nórdico10, que descreve os DORTs que ocorreram nos 12 meses anteriores, não inclui limiar de gravidade explicitamente. Nesse caso, os problemas surgem apenas quando os resultados são processados coletivamente, para fins de estudos epidemiológicos, dada a natureza extremamente difundida dos DORTs relacionados ao trabalho, mesmo nas populações de referência não expostas e, além disso, com diferenças de sexo e idade. Em uma revisão abrangente11, realizada com 256 estudos de aplicação do Questionário Nórdico10, a prevalência de sintomas musculoesqueléticos nos diferentes grupos ocupacionais expostos parece extremamente alta, em média entre 60 e 90%. Infelizmente, a literatura dispõe de poucos estudos estatísticos comparativos entre sujeitos expostos e não expostos adotando o questionário anteriormente mencionado10. Esses estudos raramente indicam diferenças significativas de DORTs entre sujeitos expostos e não expostos12, dificultando a interpretação dos tempos de risco-dano e exposição.

O Questionário Latino, que oferece nível de limiar de gravidade, possibilita melhor padronização dos resultados, classificando os trabalhadores analisados como “casos de anamnese positiva”, “casos de DORTs leves” ou, por fim, “casos negativos”.

Aplicou-se amplamente a versão inicial desse questionário1-6, desenvolvido pelos autores, não somente para o estudo de população exposta13,14, mas também à população não exposta a sobrecarga biomecânica, para responder à necessidade de definir o grupo de referência relativa1-4,15. Este artigo apresentará o questionário atualizado, sua revalidação e o novo grupo de referência relativa de mais de 4.000 sujeitos, obtido a partir de diferentes investigações16,17.

 

MÉTODOS

Esta seção dedica-se inteiramente à apresentação do Questionário Latino.

PROCEDIMENTO DE ATUALIZAÇÃO, ESTRUTURA GERAL E CONTEÚDO

O procedimento de atualização do questionário em questão inclui a adição de uma seção dedicada aos membros inferiores; a adição de informações sobre o nível de risco de exposição a sobrecarga biomecânica que deriva para os membros superiores a partir de movimentos repetitivos, para a coluna vertebral a partir do levantamento manual de cargas e para os membros inferiores a partir de sobrecarga biomecânica; e a otimização do layout e da respectiva programação para facilitar a compilação e interpretação.

A atualização não afetou os níveis de limiar, mantidos como na versão anterior1-6.

Neste ponto, vamos nos concentrar no esquema de entrevista de anamnese proposto pelo Questionário Latino, para a triagem anamnésica dos DORTs relacionados ao trabalho, principalmente em relação aos 12 meses anteriores.

O questionário se divide em cinco seções principais:

1 – Informações pessoais: as principais informações relativas ao trabalhador e à sua função na empresa (Anexo 1A, seção a).

Os históricos médicos recentes e passados e a exposição a sobrecarga biomecânica ocupacional referente a:

2 – Membros superiores (Anexo 1A, seção b; Anexo 1B, seções c e d);

3 – Coluna vertebral (Anexo 1C, seção e; seção f);

4 – Membros inferiores (Anexo 1D, seção g; seção h);

5 – Resumo dos DORTs de limiar positivo (Anexo 1D, seção i).

O questionário de anamnese destina-se a gerar um histórico preciso do paciente, orientado por ilustrações anatômicas e perguntas fechadas que ajudam o profissional de saúde a compilá-lo, para coletar rapidamente as informações necessárias, assinalando com um “X” os respectivos itens.

A coleta de dados também é facilitada pelo fato de que são utilizados praticamente o mesmo esquema e critérios, descritos a seguir, para todos os segmentos anatômicos analisados.

MÉTODO DE APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO

Estes são os passos a serem seguidos para a coleta de dados de anamnese, para cada uma das seções consideradas no questionário: a) mostrar ao sujeito a figura indicativa do local anatômico; b) perguntar ao sujeito onde ocorreram os problemas nos 12 meses anteriores; e c) solicitar mais informações apenas sobre as áreas anatômicas relatadas como positivas para a presença geral de quaisquer distúrbios e marcar as demais como “negativas”.

Uma vez respondidas as perguntas orientadas, com ênfase em cada área anatômica identificada, será possível definir se: a) o sujeito é caso de anamnese positiva para aquele segmento e lado específico, ou seja, limiar de anamnese positivo; b) o sujeito é caso de distúrbio leve que não tenha ultrapassado o limiar; ou c) a anamnese do sujeito é negativa.

Somente após obtidas essas informações, deve-se perguntar ao sujeito com limiar positivo ou distúrbios leves: a) há quantos anos os distúrbios estão presentes; b) se eles têm levado o sujeito a ausentar-se do trabalho por doença; e c) se o sujeito tem conhecimento de que sofre das doenças diagnosticadas.

CONTEÚDO ESPECÍFICO

O conteúdo específico de cada uma das cinco seções mencionadas anteriormente será apresentado a seguir.

Seção 1 – Dados pessoais (Anexo 1A, seção a)

Algumas informações pessoais básicas são necessárias, tais como nome, data de nascimento (idade), sexo, nome da empresa, departamento e tempo de serviço. Também é importante a data de preenchimento do questionário e o nome da pessoa que o aplica.

Seção 2 – Distúrbios dos membros superiores

A história anamnésica recente inclui sintomas que apareceram durante os 12 meses anteriores, divididos por articulação e divididos em duas categorias: dor (Anexo 1A, seção b) e parestesia (Anexo 1B, seção c). A presença de dor deve ser relatada separadamente para cada articulação do membro superior, assim como qualquer irradiação de dor, e se a dor se manifesta ao mover a articulação, levantar pesos ou também em repouso. Para a mão, a localização da dor deve ser indicada na figura. A dor ou parestesia que perdura durante apenas alguns minutos não é considerada para determinar caso de anamnese. Um exemplo típico seria a dor na mão ao acordar devido a postura incorreta durante o sono.

As informações seguintes também devem ser incluídas para cada articulação do membro superior: tratamento anterior; testes clínicos/exames instrumentais realizados; e meses ou anos desde o início da condição.

O segundo grupo de sintomas (Anexo 1B, seção c) inclui parestesia (comichão, formigamento, dormência) e se os sintomas ocorrem durante o dia ou à noite.

A condição de saúde é investigada através de um conjunto de perguntas padrão, incluindo o número de episódios de dor ou parestesia que ocorreram durante os 12 meses anteriores e sua duração.

A duração e a frequência da dor e parestesia, que permitem que os trabalhadores sejam classificados como casos de anamnese positiva1-6, baseiam-se nos seguintes critérios: presença de dor ou parestesia com duração mínima de 1 semana nos 12 meses anteriores ou pelo menos um episódio de dor ou parestesia por mês nos 12 meses anteriores.

A definição de caso de anamnese positiva é útil em pesquisas epidemiológicas e estudos relacionados ao risco de lesões ocupacionais, embora possa não ser qualificada como parâmetro de diagnóstico clínico preciso. Entretanto, os critérios anteriores podem fornecer orientações úteis tanto no manejo individual quanto no coletivo.

Na seção relativa à anamnese remota, os sujeitos são questionados se, tendo relatado distúrbios nos 12 meses anteriores, estão cientes de alguma patologia musculoesquelética diagnosticada anteriormente (Anexo 1B, seção C3). A fim de confirmar tais distúrbios existentes, pede-se ao sujeito que apresente os resultados dos exames instrumentais relevantes, documentando a patologia relatada.

A parte referente aos membros superiores se conclui em duas seções: Anexo 1B, seção C4, que inclui observações sobre possíveis tratamentos futuros a serem recomendados ao sujeito, e Anexo 1B, seção d, que indica o nível de exposição a sobrecarga biomecânica, se conhecido.

Seção 3 – Distúrbios da coluna vertebral

O modelo para investigação anamnésica inclui parte centrada na coluna vertebral, dividida em três seções: cervical (Anexo 1C, seção E1), dorsal (Anexo 1C, seção E2) e lombossacral (Anexo 1C, seção E3), seguindo o mesmo raciocínio para determinar o tipo e a duração dos distúrbios.

Pede-se ao sujeito que relate aqui quaisquer episódios dolorosos e/ou desconforto que tenham ocorrido durante os 12 meses anteriores.

Considera-se que o distúrbio apresenta limiar positivo quando ele atende aos seguintes critérios, nos 12 meses anteriores: a) o desconforto, a dor ou a parestesia têm sido praticamente contínuos; ou b) a dor foi esporádica, mas significativa em termos de frequência e duração. Os valores mais representativos são de três a quatro episódios com duração de 3-10 dias; ou seis episódios com duração de 2 dias; ou dois episódios com duração de 30 dias. Podem-se utilizar outras combinações proporcionais.

Se a dor não for definida conforme a situação a) ou b), mas não desaparecer por completo, então é classificada como distúrbio leve.

A presença de limiar positivo deve ser definida separadamente para cada um dos três segmentos da coluna vertebral.

Para simplificar a interpretação dos resultados, destacam-se as condições que determinam a presença de limiar positivo em letras maiúsculas (Anexo 1C, seções E1, E2, E3).

O emprego de limiar de anamnese predefinido e de método padronizado de coleta de dados para esses distúrbios é, na verdade, o que torna possível comparar os resultados com os dados obtidos por população de referência, não expostos a sobrecarga biomecânica.

Para a parte inferior das costas, a lombalgia aguda (Anexo 1C, seção E4) é relatada separadamente. A lombalgia aguda é definida como “a presença de lombalgia intensa, com ou sem irradiação, que tenha causado imobilidade por pelo menos 2 dias ou 1 dia com medicação”. Quando um trabalhador refere mais de três ou quatro episódios de lombalgia aguda nos 12 meses anteriores, provavelmente não seja lombalgia aguda verdadeira, mas pode indicar limiar positivo para a coluna lombar.

Na seção referente à anamnese remota, perguntam-se aos sujeitos se, tendo relatado distúrbios nos 12 meses anteriores, estão cientes de quaisquer patologias da coluna vertebral previamente diagnosticadas (Anexo 1C, seção E5), como, por exemplo, hérnia de disco. Ainda nesse caso, solicita-se ao sujeito que apresente os resultados dos exames instrumentais pertinentes, confirmando a patologia relatada.

Conclui-se a anamnese vertebral com duas seções completadas pelo compilador, com observações sobre possíveis tratamentos futuros a serem recomendados ao sujeito (Anexo 1C, seção E6), ou para informar os resultados do nível de exposição a sobrecarga biomecânica, quando conhecido (Anexo 1C, seção f).

Seção 4 – Distúrbios dos membros inferiores

A estrutura da seção recentemente introduzida (Anexo 1D, seção g) diz respeito a questões sobre a dor que afeta os quadris, joelhos e pés. Para definir limiar positivo, utilizam-se critérios similares aos adotados para os membros superiores, já que os distúrbios derivam principalmente da inflamação dos tendões e das articulações.

Seção 5 – Resumo dos DORTs, com limiar positivo nos 12 meses anteriores

A última parte do questionário de anamnese (Anexo 1D, seção h) inclui mapas corporais, que são úteis para fornecer panorama visual do exame de anamnese e das articulações consideradas positivas nos vários limiares de anamnese específicos.

FERRAMENTAS ELETRÔNICAS DO QUESTIONÁRIO LATINO

O Questionário Latino também é fornecido como “ferramenta simplificada” (software gratuito para download em www.epmresearch.org/a57_free-software-n-english.html), para permitir que o profissional de saúde, também sem experiência específica, realize estudos epidemiológicos preliminares, processando os resultados coletivos das atividades de vigilância sanitária já no primeiro nível, o puramente anamnésico.

O profissional de saúde, encarregado de preencher o formulário de anamnese aqui descrito, é responsável por inserir no software informações básicas, claramente especificadas, tais como dados pessoais, limiares positivos, distúrbios leves, lombalgia aguda (pelo menos um episódio nos 12 meses anteriores) e distúrbios já diagnosticados. O software já inclui a prevalência de DMEs de sujeitos não expostos. Após carregar os dados de um grupo de trabalhadores, aparecem automaticamente histogramas comparando os dados de trabalhadores expostos e não expostos e sua significância estatística.

 

RESULTADOS

Nesta seção, primeiro apresentam-se os resultados da validação do questionário atualizado, seguindo-se os dados clínicos para os novos grupos de referência e, finalmente, são apresentados exemplos de avaliação coletiva para duas populações de trabalho expostas a sobrecarga biomecânica dos membros superiores.

TESTE DE VALIDAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE ANAMNESE

Considerando as atualizações introduzidas, pareceu apropriado proceder com a revalidação desse modelo atualizado de questionário. Testou-se a reprodutibilidade do questionário interavaliadores e intra-avaliadores, examinando a concordância entre os resultados obtidos através da submissão do questionário a 99 pessoas (n = 42 na faixa etária de 15-35, n = 49 na faixa etária de 35-55 e n = 8 na faixa etária de 55-65).

Cada questionário foi submetido: a) pelo mesmo observador, em duas sessões com 2-3 semanas de intervalo; e b) mais uma vez por um observador diferente.

Participaram do estudo 37 médicos de 14 países latinos.

Foram testadas a confiabilidade interavaliadores e intra-avaliadores com a metodologia estatística Kappa, de acordo com Landis18. A validação aqui relatada diz respeito aos resultados do questionário com relação aos dados mais importantes: limiares de anamnese, distúrbios leves e lombalgia aguda nos 12 meses anteriores (Tabela 1, parte a para intra-avaliadores e parte b para interavaliadores). A validação indica que o questionário atualizado possui boa reprodutibilidade intra-avaliadores e interavaliadores. Os resultados obtidos não são devidos ao acaso, dado o alto valor de Z.

 

 

GRUPOS DE REFERÊNCIA. OCORRÊNCIA DE DORTs EM POPULAÇÕES DE TRABALHO NÃO EXPOSTAS A SOBRECARGA BIOMECÂNICA

O principal objetivo do cálculo e da análise de dados coletivos é detectar percentuais significativamente mais altos de casos de anamnese positiva no grupo de estudo, em comparação a uma população de referência de trabalhadores, com exposição desprezível ou nenhuma exposição ocupacional a sobrecarga biomecânica. Os dados da população de referência são fundamentais para fazer avaliações epidemiológicas preliminares, mesmo apenas com resultados de anamnese.

Os dados referentes aos grupos de referência serão informados de acordo com as próximas etapas:

Etapa 1 – Apresentação geral dos grupos de referência atualizados

A ocorrência de DORTs na população adulta geral não exposta a sobrecarga biomecânica representa o limiar a partir do qual os percentuais mais elevados de distúrbios, relatados em grupos expostos, podem ser atribuídos a condições específicas de trabalho, sobre as quais devem se concentrar ações preventivas.

Considerando a atualização do questionário e o possível envelhecimento dos dados resultantes dos estudos anteriores ao ano 20001-6, pareceu oportuno atualizar os grupos de referência, derivados de estudos clínicos mais recentes (Tabela 2). O grupo 1, com 1.387 funcionários (dados da tese de L. Bossi em Medicina Ocupacional, 2008, Universidade de Milão), o grupo 2 com 2.015 funcionários16 e o grupo 3 com 1.046 funcionários17.

 

 

Etapa 2 – Dados de referência para a coluna vertebral

Os histogramas na Figura 1 (parte a) mostram a proporção de limiares de anamnese positiva (separadamente para distúrbios cervicais, dorsais e lombossacrais) e a incidência de dores lombares agudas de grupos de trabalhadores com pouca ou nenhuma exposição ocupacional, distribuídos por sexo e em cinco faixas etárias.

 


Figura 1. Avaliação dos limiares de anamnese positiva (%) em grupos de referência para coluna vertebral (parte a) e membros superiores e inferiores (parte b).

 

Para avaliação epidemiológica mais acessível das tendências das doenças em várias idades, as cinco faixas etárias apresentadas na Figura 1 foram fundidas em três faixas etárias (Tabela 3, parte a), em que a terceira faixa (> 55 anos) se encontra isolada, pois a prevalência de casos de anamnese positiva é significativamente maior.

 

 

Observando os resultados, é evidente que a proporção de limiar positivo para a coluna cervical e lombossacral é muito baixa nas primeiras faixas etárias, aumentando exponencialmente na última, especialmente entre as mulheres, que ultrapassam os 30%. Por outro lado, os percentuais de lombalgia aguda e hérnia de disco lombossacral permanecem baixos.

Etapa 3 – Dados de referência para membros superiores e joelhos

Os histogramas da Figura 1 (parte b) mostram a proporção de limiar de anamnese positiva (separadamente para ombro, cotovelo, pulso/mão, parestesia noturna e joelhos), em grupos de trabalhadores não expostos a sobrecarga biomecânica, distribuídos por sexo e em cinco faixas etárias.

A Tabela 3 (parte b) resume os resultados obtidos de uma análise da distribuição de limiar positivo para os membros superiores e joelhos, distribuídos em três faixas etárias. Ainda estão sendo coletados dados referentes a limiar positivo da pélvis e dos pés, também em grupos de referência.

Etapa 4 – Dados de diagnóstico de DORTs: correspondência entre o limiar positivo e as patologias já conhecidas pelos trabalhadores do grupo de referência

Encontrou-se boa correspondência entre proporção de limiar positivo para traços determinados pelo questionário e proporção de DORTs relacionados ao trabalho, diagnosticados com base em exames instrumentais nos sujeitos dos grupos de referência que apresentaram diagnóstico no momento da aplicação do questionário de anamnese. Detectou-se correlação menor apenas para casos de parestesia noturna que têm pouca correspondência com a presença da síndrome do túnel do carpo, diagnosticada com EMG. Contudo, a motivação é conhecida, já que pouquíssimos respondentes, que foram apresentavam limiar positivo de parestesia noturna, haviam solicitado mais investigações clínicas para esses distúrbios, não os considerando passíveis de investigação clínica adicional.

Em comparação à coluna vertebral, as porcentagens de limiar positivo para os membros superiores são bastante baixas em todos os distritos. Por outro lado, distúrbios no ombro e parestesia noturna aumentam exponencialmente com a idade, chegando a 20% entre as mulheres. O mesmo padrão ocorre surpreendentemente nos casos de limiar positivo de joelhos.

EXEMPLOS DE APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE LIMIAR PARA ESTUDOS EPIDEMIOLOCAIS PRELIMINARES, COMPARANDO RESULTADOS DA POPULAÇÃO EXPOSTA E GRUPOS DE REFERÊNCIA

Há duas maneiras de aplicar o questionário de anamnese, e cada abordagem exige que os dados sejam coletados de forma diferente: a) método 1 – o profissional de saúde aplica o questionário de anamnese em trabalhadores antes do exame clínico; ou b) método 2 – o questionário é aplicado em grupos de até 10-15 trabalhadores expostos, sob a supervisão de profissional de saúde ou enfermeiro experiente. Pode-se utilizar esse método como meio de compartilhar informações com os trabalhadores e oferecer excelente oportunidade para explicar os DORTs (por exemplo, sua etiologia e como podem ser prevenidos). Utilizou-se o método 1 para obter os dados apresentados a seguir.

Muitas foram as aplicações do modelo, porém, devido à limitação editorial, apresentam-se apenas dois exemplos (Figura 2).

 


Figura 2. Proporção de casos de anamnese positiva em dois grupos de trabalhadores expostos em comparação aos grupos de referência para ombro, cotovelo, punho/mão e parestesia noturna de membro superior.

 

Os exemplos aqui apresentados mostram os dados de dois grupos de trabalhadores, o primeiro composto por 100 caixas de supermercado do sexo feminino e o segundo composto por 310 indivíduos do sexo masculino empregados em uma fábrica de processamento de carne suína. Considerando que esses dois grupos tinham a mesma distribuição por idade tanto entre si como em relação aos grupos de referência, são referidas as proporções do limiar de anamnese a apenas uma faixa etária. Os dados referem-se à proporção de casos com limiar positivo no ombro, cotovelo, punho/mão e parestesia noturna. Na Figura 3, a proporção de casos com limiar de anamnese positiva, apresentado por trabalhadores expostos, é comparada, através de histogramas, à proporção de casos apresentados pela população de referência. Os dois grupos de trabalhadores expostos (caixas de supermercados e trabalhadores de uma fábrica de processamento de carne suína) apresentam grau diferente de exposição a sobrecarga biomecânica dos membros superiores, tanto qualitativa quanto quantitativamente.

O número de casos que atingiram o limiar de anamnese foi alto, e a diferença em relação aos trabalhadores não expostos foi estatisticamente significativa para o ombro, cotovelo e punho/mão (p < 0,001 na distribuição de qui-quadrado), mas não para a parestesia noturna, apenas para os caixas que trabalhavam naquele supermercado especificamente examinado.

Os poucos dados apresentados indicam a importância de realizar a avaliação clínica dos trabalhadores com avaliação coletiva dos resultados, comparando a proporção de limiar positivo observada nos grupos expostos e de referência separadamente para as diferentes áreas de trabalho. Isso é importante porque, mesmo na ausência de avaliação de risco ou no caso de avaliações realizadas incorretamente, o excesso significativo de limiar positivo detectado através do questionário, em comparação aos dos grupos de referência, demonstra a presença de risco para a região anatômica em que é detectado o excesso.

O ideal seria comparar os dados dos expostos com os dos não expostos, obtidos no mesmo local e período em que o estudo epidemiológico é realizado. No entanto, estamos todos cientes dos custos e das dificuldades de criar grupos de referência mais específicos todas as vezes. Portanto, ao invés de desconsiderar os estudos inferenciais, é preferível utilizar os dados dos grupos de referência apresentados no presente estudo, recentemente obtidos de diversas populações de trabalhadores.

Mesmo que os resultados da comparação devam ser tratados com cautela, quando as diferenças entre os grupos expostos e não expostos são altas, deve-se considerar evidente a exposição a sobrecarga biomecânica.

 

DISCUSSÃO E CONCLUSÕES

O modelo original do questionário foi atualizado e otimizado com base em mais de 40 anos de experiência de aplicação, sendo renomeado como Questionário Latino.

O modelo de questionário de anamnese atualizado ora apresentado difere de outros modelos propostos na literatura principalmente porque emprega limiar positivo, o que permite, utilizando nível de gravidade predeterminado, selecionar casos de anamnese significativos em comparação com casos de distúrbios leves. Essa estratégia, mesmo após a coleta apenas de dados de anamnese, é indispensável para a realização de estudos epidemiológicos preliminares, graças à possibilidade de comparar dados coletivos bem selecionados de uma população ativa exposta com os de populações de referência, não expostas a sobrecarga biomecânica.

O Questionário Latino também é fornecido sob a forma de “ferramenta simplificada” (download gratuito do software em www.epmresearch.org/a57_free-software-n-english.html).

A revalidação do modelo, realizada por 37 médicos em 14 países latinos, ao submeterem o questionário a 99 pessoas, apontou que o questionário atualizado possui bom nível de reprodutibilidade tanto com intra-avaliadores quanto com interavaliadores.

Considerando a atualização do questionário e o possível envelhecimento dos dados já publicados, resultante de estudos anteriores ao ano 2000, a população ativa não exposta foi atualizada com base em mais de 4.000 novos casos. Os resultados para os novos grupos de referência, considerados muito próximos aos anteriores, são descritos no artigo.

Os exemplos de aplicação do modelo confirmam que, quando o nível de exposição a sobrecarga biomecânica é alto, a proporção de casos que atingem o limiar de anamnese parece proporcionalmente muito maior em trabalhadores expostos do que em trabalhadores não expostos.

 

AGRADECIMENTOS

O grupo de trabalho, composto por 37 médicos de 14 países latinos e europeus, participou da atualização e validação do modelo, avaliando sua confiabilidade intraavaliador e interavaliador. Ao grupo latino de médicos do estudo, os autores agradecem de coração, também por seus esforços durante a pandemia, sem receber remuneração ou patrocínio. Em particular, os seguintes médicos contribuíram para o trabalho: Horacio Tovalin, Tomas Pairo, Bettina Lopez, Yazmit Viccon (México); Bernal Garcia, Eugenia Herrera, Verónica María Vega (Costa Rica); Hilda Hernández, Vanessa Reyes, Ana Josefa Ramos (Honduras); Ronnie Lombana, Alain Claro, Allan Alvarez (Guatemala); Paola Orellanas, Rodolfo Castro (El Salvador); Harry Chandler, Marlin Mercedes, Giselle Carrera, Brenda Sobenis (Panamá); Doris Mejia, Erika Carolina Zapata, Mauricio Gaviria (Colômbia); Leopoldo Suárez, Andrea Bastidas, Rubi Chonlong, Jorge Andrés Obando (Equador); Juan Jose Retamozo, Luis Alberto Acosta (Peru); Rafael Cervantes, Luis Quinteros (Bolívia); Rodrigo Pinto, Ignacio Gatica (Chile); Marco Feraud, Mauro Trota (Argentina); Diana Robla (Espanha); Ruddi Facci, Edoardo Santino (Brasil).

Contribuições dos autores

DC foi responsável pela concepção do estudo, tratamento de dados, análise formal e metodologia. Ela trabalhou na administração e nos recursos do projeto e desenvolveu um software específico que propiciou a validação do método de estudo. Foi responsável pela redação – esboço original do texto. OM atuou no desenvolvimento da metodologia proposta. Ela contribuiu decisivamente para a investigação e no tratamento de dados relativos aos grupos de referência, além da supervisão do teste final. NB colaborou de forma fundamental na investigação e no tratamento de dados em relação aos grupos de referência. Fez estudos de validação estatística e epidemiológica sobre os resultados do método proposto. Colaborou com a produção do software específico e na supervisão do teste final. EO fez estudos de validação estatística e epidemiológica sobre os resultados do método proposto, bem como na supervisão do teste final. MVP trabalhou no tratamento e investigação de dados, testando a nova metodologia e o software específico, e fez a supervisão do teste final. AH desempenhou papel importante na obtenção de financiamento e foi responsável pela administração do projeto e supervisão do teste final. RF e ES dedicaram-se ao tratamento e investigação de dados, testando a nova metodologia e o software específico, bem como na supervisão do teste final. Todos os autores aprovaram a versão final submetida e assumem responsabilidade pública por todos os aspectos do trabalho.

 

REFERÊNCIAS

1. Occhipinti E, Colombini D, Menoni O, Grieco A. Alterazioni del rachide in popolazioni lavorative. 1. Dati su un gruppo maschile di controllo [Changes of the spine in working populations. 1. Data on a male control group]. Med Lav. 1985;76(5):387-98.

2. Colombini D, Grieco A, Occhipinti E. Occupational muscolo skeletal disorders of the upper limbs due to mechanical overload. Ergonomics. 1998;41(9).

3. Occhipinti E, Colombini D, wwMolteni G, Menoni O, Boccardi S, Grieco A. Clinical and functional examination of the spine in working communities: occurrence of alterations in the male control group. Clin Biomech (Bristol, Avon). 1989;4(1):25-33.

4. Occhipinti E, Colombini D, Grieco A. Study of distribution and characteristics of spinal disorders using a validated questionnaire in a group of male subjects not exposed to occupational spinal risk factors. Spine (Phila Pa 1976). 1993;18(9):1150-9.

5. Colombini D. Manual lifting. Boca Raton: CRC Press; 2012.

6. Colombini D, Occhipinti E. Risk analysis and management of repetitive actions. 3rd ed. Boca Raton: CRC Press; 2016.

7. Rytter S, Jensen LK, Bonde JP. Clinical knee findings in floor layers with focus on meniscal status. BMC Musculoskelet Disord. 2008;9:144.

8. Reid CR, Bush PM, Cummings NH, McMullin DL, Durrani SK. A review of occupational knee disorders. J Occup Rehabil. 2010;20(4):489-501.

9. Andersen S, Thygesen LC, Davidsen M, Helweg-Larsen K. Cumulative years in occupation and the risk of hip or knee osteoarthritis in men and women: a register-based follow-up study. Occup Environ Med. 2012;69(5):325-30.

10. Kuorinka I, Jonsson B, Kilbom A, Vinterberg H, Biering-Sørensen F, Andersson G, et al. Standardised Nordic questionnaires for the analysis of musculoskeletal symptoms. Appl Ergon. 1987;18(3):233-7.

11. López-Aragón L, López-Liria R, Callejón-Ferre Á-J, Gómez-Galán M. Applications of the standardized nordic questionnaire: a review. Sustainability. 2017;9(9):1514.

12. Yue P, Xu G, Li L, Wang S. Prevalence of musculoskeletal symptoms in relation to psychosocial factors. Occup Med (Lond). 2014;64(3):211-6.

13. Colombini D, Occhipinti E. Risultati della valutazione del rischio e del danno in gruppi di lavoratori esposti, in diversi comparti lavorativi, a movimenti e sforzi ripetuti degli arti superiori [Results of the risk and damage assessment in groups of workers exposed, in different work sectors, to movements and repeated efforts of the upper limbs]. Med Lav. 2004;95(3):233-46.

14. Menoni O, De Marco F, Colombini D, Occhipinti E, Vimercati C, Panciera D. Studi clinici in popolazioni lavorative: un modello per l’indagine anamnestica delle patologie degli arti superiori e sue modalità applicative [Clinical studies in working populations: a model for the anamnestic investigation of the pathology of the upper limbs and its practical application]. Med Lav. 1996;87(6):549-60.

15. Battevi N, Menoni O, Vimercati C. The occurrence of musculoskeletal alterations in worker populations not exposed to repetitive tasks of the upper limbs. Ergonomics. 1998;41(9):1340-6.

16. Meroni M, Battevi N, Vitelli N, Ricci MG, Petri A, Menoni O, et al. Indagine epidemiologica sulle patologie e sui disturbi muscoloscheletrici degli arti superiori in un gruppo di 2022 videoterminalisti [Epidemiological study of UL-WMSDs in 2022 VDU workers]. Med Lav. 2010;101(4):276-85.

17. Stucchi G, Cairoli S, Crapanzano R, Basilico S, Leocata G, Battevi N. Prevalenza di disturbi e patologie muscoloscheletriche in lavoratori attivi non espposti a sovraccarico biomeccanico [Prevalence of musculoskeletal disorders in subjects not exposed to biomechanical overload]. Med Lav. 2018;109(1):3-15.

18. Landis JR, Koch GG. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics. 1977;33(1):159-74.

Recebido em 15 de Fevereiro de 2022.
Aceito em 4 de Março de 2022.

Fonte de financiamento: Nenhuma

Conflitos de interesse: Nenhum


© 2024 Todos os Direitos Reservados